História (ainda) sem nome. Capítulo 6

Oi gente!

Demorei, mas escrevi o capitulo 6!!

Espero que gostem!

Como de costume, capítulos anteriores aqui.

 

—-§—-

Capítulo 6: Sr. Medeiros.

 

Como conseguia meter-se em situações assim, era uma incógnita para Meg.

Ela ia começar um trabalho novo, num lugar novo e com pessoas desconhecidas.

E agora, estava na frente da pessoa que ela menos queria encontrar, já que tinha passado por dois momentos complicados na frente dele. Na primeira vez estava bêbada e na segunda vez estava prestes a cair numa choradeira sem fim. Nas duas vezes ele tinha sido, no mínimo, simpático

– Sra. Megan, este é o Sr. Medeiros. Como comentei com a Senhora ele era o coordenador de processos…

-Sim , Beatriz, já nos conhecemos. Nos vimos na convenção. Pode deixar que continuo mostrando daqui  o restante do andar.

Evan foi um pouco mais rápido em responder a Bia do que Meg poderia. Ela já estava passando do sentimento de vergonha para o sentimento de raiva.

Se ele sabia todo esse tempo quem era ela, porque ele simplesmente não disse?

E, pelo amor de Deus, ele foi um dos palestrantes, Meg agora lembrava, sobre  gestão de processos e viu que ela navegava na internet e ainda comentou. Se sentia como uma estudante pega colando em dia de prova.

E não parava por ai. Como um balde de água fria, assimilou o nome dele: Evan Medeiros. Como se não bastasse, ele ainda era um dos herdeiros da empresa. 

– Você não parece bem Sra Alves. Quer beber alguma coisa? Um café, talvez…

– Por que você não disse? Por que você não disse que sabia quem eu era? – Meg falou sussurrando, contendo a raiva.

– Não precisamos sussurrar, Sra Alves, a sala tem isolamento.

Evan estava divertindo-se com aquela situação.  De fato não sabia que aquela Megan era a Sra. Alves que teria que guiar pela empresa. Mas aquilo estava sendo inusitado. Ver Meg, mais uma vez desconcertada na sua frente, não tinha preço.

– Eu não disse por que eu não sabia! Muito simples Sra Alves.

– Não me chame desse jeito. Já nos conhecemos e eu me sinto uma velha com essa história de Sra Alves.

Evan apenas riu enquanto Meg aceitava a água que ele lhe oferecia. Ela suspirou e andou até a janela. Estava nervosa, e normalmente olhar para o nada, nem que por alguns segundos, fazia com que se acalmasse. Aos poucos a “terapia” surtia efeito.

Os carros estavam apressados lá embaixo, a cidade estava cheia e Meg adorava ver as pessoas andando de um lado para o outro. No prédio ao lado, alguns trabalhadores estavam pendurados limpando as janelas enquanto alguns executivos abriam as janelas segurando seus copos fumegantes de café.

– Será que você poderia se afastar um pouco da janela?

Meg não tinha percebido, mas tinha andado vários passos e estava um pouco longe de Evan.

– Vamos, mais uns passos para trás e eu fico mais tranqüilo…

– você… você tem medo de altura? Como você pode ter uma janela como essa e ter medo de altura?

Meg não imaginava que ele tivesse medo de alguma coisa, quanto mais de altura! E pelo visto ele tinha medo que qualquer pessoa pudesse se jogar dali. Era essa a impressão que ela tinha ao olhar para o rosto dele e para a mão estendida para que ela a pegasse.

Meg ignorou o gesto e o silêncio dele. No lugar de aceitar a mão estendida, colocou o copo nela.

– Vamos, você deveria estar me mostrando o resto do andar e não evitando que eu pule da janela!

Evan revirou os olhos e a levou até a porta.

Foi nesse momento que Meg conheceu o verdadeiro Evan ou, na verdade, o Sr Medeiros.

—-§—-

Não pretendo demorar tanto para postar o próximo capitulo!!!

bjus

Compartilhe

Sobre o autor

Sofro de transtorno bipolar... Eu acho. rsrs sou meio doida, meio normal (aquela velha história de metade cheio ou metade vazio). Adoro ler, adoro cinema, adoro chocolate, adoro escrever. Há quem diga que até levo jeito. Tem gente que gosta de mim e do que escrevo. Tem gente que me odeia e mesmo assim, sem assumir, adora o que eu escrevo hehe. Sou convencida e tímida. Sou de câncer (se alguém se liga nessas coisas). Sou ouvinte, mas pouco falo. Sou simples e sou confusa. Pois é... sou Odyle

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *