Sempre gostei de romances.

Desde os modernos aos clássicos e “antiquados” em que as heroínas são sempre moças frágeis a procura de um amor que a supra emocionalmente e financeiramente.

Meus romances favoritos são os que se passam no século 18. Acho que a atmosfera de riqueza, requinte e nobreza me fascinam.

Minhas romancistas preferidas são Barbara Cartland e Jane Austen.

Bárbara é considera uma das maiores romancistas. Publicou diversos livros. Seus cenários favoritos são a agitada capital inglesa do século XVIII e a chique e revolucionária França.

Os livros sempre são sobre uma mocinha indefesa prestes a casar com um terrível pretendente arranjado por sua madrasta gananciosa.

Mesmo tendo um roteiro pré pronto, uma história mais doce que “mamão com açúcar”, ainda assim sua escrita é envolvente.

Mas, minha maior decepção é nunca ter lido Jane Austen!

Sua vida foi curta e seus romances foram poucos. Porém merece a nossa atenção.

Vários de seus livros viraram filmes, como foi o caso de “Orgulho e Preconceito” (o meu preferido) e “Razão e Sensibilidade”.

Recentemente comprei um filme bibliográfico que fala da vida de Jane quando jovem.

Amor e Inocência” mostra a vida desta autora na forma de um de seus romances.

Inteligente, espirituosa e decidida são palavras que a traduzem perfeitamente.

Viveu em uma época em que casamento por amor não existia ou era artigo de luxo. O que prevalecia era status, títulos de nobreza e dinheiro. (as coisas não mudaram muito desde então, não é?)

Em seu livro, em sua vida e, porque não, em nossas vidas, o tema corriqueiro é busca pelo verdadeiro amor.

Aquele amor que nasce, se desenvolve e enfrenta desafios e sofrimentos para permanecer firme e ser aceito pelas pessoas por qualquer motivo que seja.

Mesmo nesses romances mais modernos- sejam eles vampirescos ou com nome de fruta/dançarina de funck- o amor ainda é o assunto mais comum em livros que querem assemelhar-se a nossa realidade.

Para aqueles que gostam de um pouco de romance, nem que seja por algumas horas do dia, eu indico os livros e os filmes.

A busca pelo amor é incessante, insana e reconfortante”

 

Compartilhe

Sobre o autor

Pseudo Nerd.
Canceriana (isso importa?).
Adoro escrever e ler. Viciada em filmes e seriados.
Conhecida por sentir as coisas alem do necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *