Pela janela aberta pelos seus olhos, a imagem era a das mais animada.

Luzes…

Sorrisos…

Taças cheias de bebidas de todas as cores…

Vozes alteradas…

Tudo era indício de alegria e bem estar.

Mas, não era bem assim…

As luzes estavam desfocadas, os sorrisos distantes, as vozes zumbiam em seus ouvidos e a bebida corria latente em suas veias como forma de escapar de seus pesadelos, que mesmo acordada, persistiam em aparecer…

“nada é tão ruim que não se possa piorar”

Sim, era verdade…

Além da solidão a flor da pele, seus olhos viam o que não queriam: rostos colados e bocas unidas.

Sim, as coisas sempre tem o poder de piorar.

Taças caem do outro lado do salão… poderia estar perto… poderia ver os cacos aos seus pés…

“você não acha?”

Seus pensamentos foram interrompidos.

Distante de toda aquela conversa de mesa de bar, concorda com a cabeça, sorri com os lábios de forma mecânica – sorriso este que não alcança seus olhos – e volta a tomar parte da conversa afastando os pensamentos obscuros….

 

Que medo de mim!! O.O

É nisso que dá ter vontade de escrever em plena aula de legislação trabalhista.

Mesmo “macabro” eu gostei… é bem real…

Bom, é isso! espero que tenham gostado também!

Compartilhe

Sobre o autor

Pseudo Nerd.
Canceriana (isso importa?).
Adoro escrever e ler. Viciada em filmes e seriados.
Conhecida por sentir as coisas alem do necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *