“Logo que soltas a palavra, ficas sujeito a ela. Mas enquanto não a soltares és dono dela”.
(Provérbio árabe)

Estava dando umas voltas em alguns sites esses dias e me deparei com essa frase. Parei e pensei um pouco sobre o quão somos reféns das nossas palavras.

Cheguei à conclusão que em alguns momentos diria mais coisas, em outros não falaria tanto e ainda diria de outra forma outras tantas coisas.

Mas o tempo não volta. Mesmo a palavra escrita num pedaço de papel ou em qualquer lugar que possa ser lida e apagada, sempre fica marcada para alguém.

Ter cuidado com as palavras é ainda mais essencial do que o cuidado com nossas ações. Dificilmente palavras são esquecidas… Algumas marcam fundo, ferem ou alegram.

Já pararam pra pensar em quantas coisas nós lemos sem querer? E quando as lemos, e são sobre nós? E quando escrevemos sobre outros? Pensamos na conseqüência de nossos dizeres? Creio que não damos a devida importância…

Não podemos voltar atrás nas palavras proferidas, elas não se apagam. São carregadas pelo vento, e vez ou outra voltam.

Dizem que devemos pensar antes de falar, mas seria bem estranho ter uma longa  pausa em cada frase dita… A analise demoraria muito… Rsrs mas ter cautela é importante.

Tem uma frase de Oscar Wilde que traz um pouco das diversas personalidades humanas:

“O homem sempre destrói aquilo que mais ama;

Em campo aberto ou numa emboscada;

Alguns com a leveza do carinho;

OUTROS COM A DUREZA DAS PALAVRAS;

Os covardes destroem com um beijo;

Os valentes destroem com a espada”

Somos bem assim: de uma forma ou de outra, não podemos seguir nosso caminho sem magoar alguém, ou sem sermos magoados. Mas a tentativa nunca é sem importância…

Tags

Compartilhe

Sobre o autor

Pseudo Nerd. Canceriana (isso importa?). Adoro escrever e ler. Viciada em filmes e seriados. Conhecida por sentir as coisas alem do necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *