Todos temos defeitos e qualidades. Algumas atingem diretamente homens ou mulheres, e outras atingem os dois sexos como, por exemplo, a insegurança. Tudo bem, muitos de vocês vão protestar agora (e podem fazer comentando se assim preferirem. Kkk) e dizer que não, que insegurança é algo típico do sexo feminino que sempre dramatiza muito as coisas. Deixando a discussão homens x mulheres de lado, temos que concordar que a insegurança atrapalha um pouco nossas vidas…

Se você está numa festa e olha para alguém e esse alguém retribui o olhar, no lugar de pensar “nossa, ele também está ‘interessado’”, qual o seu primeiro pensamento? “Ele deve estar olhando para outra pessoa. Imagina se ele ia olhar pra mim”!!Por que é tão difícil confiar em si mesmo, na produção que custou tempo e dinheiro e reclamação dos amigos quanto ao tempo que você passa arrumando-se para sair (afinal é muito difícil escolher entre a calça jeans azul escura e azul marinho)? O certo seria você pensar “que ótimo! Sou bonita, ele está olhando pra mim, vou fazer no mínimo uma nova amizade”.

Essa mesma pessoa da situação a cima, toma a iniciativa e vai falar com você e mais uma vez, sua mente insana proclama: “ele deve ta interessado em fulana, viu que sou amiga dela e está tentando se aproximar”… Acha difícil situações assim acontecerem depois que se sai do colégio? Hum!  Vai sonhando!

Depois de um tempo conversando, você percebe que ele é inteligente, simpático e têm todas essas qualidades que sempre gostamos no sexo oposto. Mas ai aquele diabinho típico de desenho animado reaparece… “ele é só mais um cara bem treinado, com frases prontas e com um objetivo comum a todos: só querem sexo”…

Além da conversa, nada mais acontece. Ele pede seu telefone, MSN ou qualquer coisa que possa fazer ele se comunicar com você. “há! Até parece que ele vai ligar…”

Porque é tão difícil pensarmos que ele realmente está a afim, que quer mesmo conhecer você, que ele vai ligar/adicionar, que ele é diferente?

Tudo bem que não podemos culpar unicamente a insegurança por todas as nossas dúvidas, sejam elas quanto a uma paquerinha inocente ou quanto a questões do dia a dia. Talvez outro motivo além da insegurança possa sentar no banco dos réus: o simples fato de sermos seres humanos. Nós mentimos, fingimos e dissimulamos. Estamos sempre cheio de intenções (e segundas intenções) fomos treinados a ter que pensar sempre um passo a frente dos outros… Prever diálogos, gestos, pensamentos… Não agimos mais por impulso. Tornamos-nos um pouco automáticos. Quem precisa ser espontâneo se existem analistas de gestos que dizem se o outro está interessado por você? Pra que expressar nossas opiniões se tem sempre pesquisas que fazem isso massificando nossos pensamentos?

Tornamos-nos preguiçosos e ante uma situação inesperada o fantasma da insegurança fica nos rondando. Impede que tomemos decisões, que curtamos o momento tal como ele se apresenta.

Pode parecer meio clichê, mas alguém já disse que só aprendemos errando (com a maioria das coisas é assim que acontece).

Passamos a vida inteira enfrentando o desconhecido.

Uma hora, você tem que tirar as rodinhas da bicicleta e aprender a se equilibrar, tem que aprender a dormir sem histórias ou cantigas de ninar, aprender a usar o banheiro (alguns homens não aprendem muito bem), enfrentar o primeiro dia na escola, na faculdade… Tem que sair da casa dos pais e começar uma nova vida, uma nova família… Conhecer novas pessoas… pedir aquele merecido aumento ao chefe…

Enfim, tem momentos em nossa vida que precisamos viver, com todo o significado que essa palavra carrega…

Que tal começar a tentar agora?

Compartilhe

Sobre o autor

Pseudo Nerd. Canceriana (isso importa?). Adoro escrever e ler. Viciada em filmes e seriados. Conhecida por sentir as coisas alem do necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *